Boa tarde!  Sábado 23/06/2018 16:31

Colunista convidado

• 18/6/2018 - segunda-feira

Estimular o voto


João Franzin é jornalista e diretor da Agência de Comunicação Sindical.

Segundo institutos de pesquisa, amplos setores do eleitorado parecem não querer votar nas eleições que se aproximam. Outros anunciam voto em branco ou nulo. A persistir tal tendência, o pleito em outubro baterá recorde de abstenção ou de votos em branco e nulo.

O sindicalismo está desafiado a tomar posição frente a esse quadro. Primeiro, valerá identificar que setores e classes estão mais desalentados. Identificados, caberá armar ações junto a esses eleitores e a entidades que se relacionam com eles – igrejas, Sindicatos, associações de moradores, entidades que lutam por moradia, hip-hop etc.

Se muito não pode, alguma coisa o movimento pode fazer. Por exemplo: as entidades, em suas redes e boletins, podem massificar o valor e sentido cívico do voto. Aqui na Agência, nossos materiais dizem mais ou menos assim: - Se você não abre mão do direito a férias, ao 13º, ao FGTS, por que abriria mão do direito de votar?

Mais isso é pouco. O voto deve ser movido pelo não e pelo sim. Primeiro, portanto, indicar em quem não se deve votar e por quais motivos. Segundo, indicar o perfil do candidato que merece o voto trabalhador e por quais razões.

A primeira atitude faria uma peneira nos candidatos conservadores, que, embora pareçam comprometidos com as causas populares, acabam votando contra os interesses dos trabalhadores. O não explícito marcaria a testa de quem deve ser excluído das opções do eleitorado mais pobre ou da classe trabalhadora - da ativa, aposentado ou pensionista.

O sim é autoexplicativo. Ele indicaria o perfil das candidaturas populares, merecedoras de apoio e voto.

As eleições deste ano serão muito influenciadas pelo dinheiro do fundo partidário e da máquina dos partidos e seus caciques. A campanha eleitoral será curta e enfrentará muitos obstáculos da própria lei eleitoral.

Portanto, a eleição deste ano será chocha se deixarmos a bola rolar sozinha. Mas será quente se entrarmos em campo, chutando pra frente.