Boa noite!  Terça 20/08/2019 23:39

• 01/2/2019 - sexta-feira

Metalúrgicos recebem boletim especial
que denuncia aumento rebaixado

A Deluma (Bonsucesso) quer burlar o acordo coletivo da categoria, que fixou reajuste salarial de 5%, pagamento de abono salarial de 10% e preservação de todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho. Mas o Sindicato vai pra cima em defesa do trabalhador.

Na madrugada desta sexta (1º), nossos diretores estiveram na fábrica, para distribuir boletim denunciando a manobra espúria. A empresa concedeu 4% de reajuste e se nega a aplicar o certo, que são os 5%.

O vice-presidente Josinaldo José de Barros (Cabeça) e o diretor Antônio Francisco da Silva (Fala Mansa) comandaram a ação. Eles chegaram à fábrica às 5 horas, para conversar com os trabalhadores e explicar as perdas que a direção da Deluma quer impor. 

Cabeça diz: “A empresa está fugindo para não cumprir a Convenção. É uma medida irresponsável e antissindical. Com essa atitude, os trabalhadores perdem dinheiro e direitos”.


Diretores chegaram na porta da fábrica às 5 horas

Entenda - O acordo coletivo da categoria fixou reajuste de 5%. Mas a Deluma nega o acordo e quer impor suas condições. A empresa concedeu só 4% em novembro. A diferença (-96%) traz perda mensal, prejuízo anual e defasagem no 13º salário, férias e Previdência. 

Economista - O boletim entregue informa o valor exato que o trabalhador da Deluma perde. As contas foram feitas pelo economista Rodolfo Viana, responsável pela subseção do Dieese em nosso Sindicato. “Considerando o Piso do segmento, o trabalhador perde R$ 14,92 por mês, o que resulta em R$ 198,90 por ano”, explica.

Direitos - Com a não renovação da Convenção Coletiva de Trabalho, o funcionário da Deluma perde muitos diretos. Veja os principais: 

- Adiantamento: a empresa pode se negar a pagar o adiantamento mensal de 40%;

- Licença-maternidade de 180 dias: a CLT garante 120, já pela nossa Convenção a mãe tem direito a 180 dias de descanso.

- Garantia no acidente de trabalho: a lei só dá um ano de estabilidade em caso de acidente de trabalho ou doença profissional. Na Convenção, o empregado tem 33 meses de estabilidade em caso de doença profissional e até se aposentar em caso de acidente de trabalho. 

Assembleia - Às 14 horas, nossos diretores voltarão à porta da fábrica para assembleia com os trabalhadores.