Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região
Telefone (11) 2463.5300 / E-mail sindicato@metalurgico.org.br

 
• 12/6/2019 - quarta-feira

A força da consciência

O sindicalismo prepara forte Greve Geral para esta sexta, dia 14. Motivos não faltam. O mais importante deles é o combate à reforma neoliberal da Previdência, que agride direitos e, na prática, promove exclusão social. Também afronta a Constituição e a própria dignidade humana.

Penso que a Greve Geral não deve ser apenas momento de contestação e reivindicações. A meu ver, deve ser - do seu preparo à sua realização - uma tomada de consciência perante a conjuntura nacional, pois o Brasil vive grave crise. E o governo tenta jogar nas costas do povo o custo do ajuste fiscal.

Nossa reação, portanto, é natural. E legítima. Há meses, as Centrais Sindicais enviaram carta a Jair Bolsonaro solicitando audiência. As entidades queriam explicar ao presidente eleito qual a plataforma da classe trabalhadora para o crescimento do País, o emprego e a busca da paz social. Ele nem nos respondeu.

Os trabalhadores sequer sonham em obter privilégios. Nossa pauta é bastante básica, ou seja, queremos crescimento, emprego, renda, crédito em condições justas e que o Estado cumpra bem o seu papel nas questões de Saúde, Educação, Segurança e Habitação.

Pessoas da classe média, muitas vezes, olham para nossas mobilizações e nos criticam. Também tentam nos imputar influências partidárias. Essas influências existem, num regime democrático. Mas não têm peso na organização e nas metas de uma Greve Geral. Partidos e Sindicatos possuem dinâmicas diferentes.

Ao longo de minha vida de ativista político e dirigente sindical, participei de inúmeros protestos e greves. Sempre condenei radicalismos. Fazer pressão e tentar ganhar adesões, isso é legítimo. Mas entendo que os avanços são mais consistentes quando ocorrem por meio da conscientização.

Esperamos fazer uma greve forte e nacional, que rompa o muro da intolerância neoliberal frente às justas demandas dos trabalhadores, dos estudantes, dos educadores e dos movimentos sociais.

O trabalhador, na sua essência, é um construtor - de objetos, peças e máquinas. Portanto, o que queremos construir com essa greve é um ambiente de mais tolerância, de diálogo e de consenso em nosso País. Entenda nossa greve como um grito de alerta e um ato de consciência.

Se você puder nos apoiar, conscientemente, seremos muito gratos.

José Pereira dos Santos - Presidente do Sindicato
dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região
e secretário nacional de Formação da Força Sindical
E-mail: pereira@metalurgico.org.br
Facebook: 
www.facebook.com/PereiraMetalurgico
Blog: 
www.pereirametalurgico.blogspot.com.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home
Receba nossa Newsletter: Nome Email