Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região
Telefone (11) 2463.5300 / E-mail sindicato@metalurgico.org.br

 
• 26/8/2019 - segunda-feira

Getúlio Vargas. Patriota de verdade. Amigo do povo!

O Brasil foi o único País da América Latina a enviar tropas para combater o nazi-fascismo na Segunda Guerra. Nossos pracinhas foram valentes e heroicos. O presidente que tomou essa decisão foi Getúlio Vargas. Ainda assim, a elite o atacava, insinuando que tivesse simpatias pelo nazismo.

Getúlio Vargas consolidou a legislação trabalhista na CLT e foi o autor de inúmeros decretos e leis que protegiam o trabalho e a classe trabalhadora. Mesmo assim, tentaram dizer que ele nutria afinidades com o fascismo, que era populista, acenava para os pobres, mas beneficiava os ricos.

Getúlio criou o Ministério da Educação e tornou obrigatório ensino básico em nosso País. Mas o acusavam de atrasado e obscurantista.

Criou a Rádio Nacional, ajudando a integrar o Brasil, a dar um padrão à língua falada em nosso País e a divulgar os grandes artistas populares. Os detratores, no entanto, diziam que ele reprimia as artes.


A burguesia nacional teria sido esmagada pelo capitalismo internacional se Getúlio não tivesse investido pesado na indústria de base, criado a Petrobras, a Vale do Rio Doce e tantas outras estatais que alavancaram nosso desenvolvimento. Como o Banco do Brasil e o BNDE, por exemplo.

Getúlio colocou os Sindicatos sob proteção do Estado, exatamente para que a classe patronal da época não esmagasse a organização classista. Ele mobilizava a polícia, sim, mas era pra proteger os dirigentes na fundação de Sindicatos em locais onde a violência do capital se impunha.


Getúlio Dornelles Vargas era fazendeiro abastado. Tinha terra e tinha gado, mas não era o ricaço típico. Ao contrário, em sua fazenda Itu, no Rio Grande do Sul, ele gostava mesmo era de conversar com os peões e matear (tomar o mate) com esses homens simples e rudes.

Quando presidente, recebia trabalhadores, sindicalistas, empresários, artistas - seu gabinete era aberto porque Getúlio não tinha medo do povo. Aliás, foi esse destemor que o fez liderar a Revolução de 30, derrubando do poder a elite café-com-leite, dos velhos latifundiários e raposas políticas que queriam manter o Brasil no atraso e os brasileiros na ignorância e miséria.

Pense no salário mínimo. Foi Getúlio quem criou. Pense na CLT. Foi criação de Getúlio. Pense na Justiça do Trabalho. Pois foi o grande nacionalista quem instituiu. Pense no voto da mulher. Exatamente: foi Getúlio quem legalizou esse direito em 1932.


Getúlio criou a CLT - Consolidação das Leis do Trabalho

Código de Minas, de Águas de Florestas – obra dele. Estadista firme e gestor de pulso, durante 24 anos da Era Vargas, a inflação ficou em 712 pontos. Depois, de 1959 a 1979, a inflação brasileira cresceu para 131.412 pontos.

Decência - Alzira, filha adorada por Getúlio, conta que o pai a repreendeu duramente por saber que num certo dia ela requisitou um carro para ir à escola. Getúlio disse: “Minha filha, o carro não é teu nem meu. Pertence ao Estado brasileiro”. Quando seus filhos passavam férias em Petrópolis, era de trem que eles iam à escola.


Getúlio com sua filha Alzira, sua neta Celina e sua sobrinha-neta Edit

Esse é Getúlio Vargas, o homem que tinha dignidade, tanto assim que em 24 de agosto de 1954, ao se ver acuado por acusações mentirosas e infames (ser pressionado pela canalha política, a grande mídia e militares de alta patente), preferiu dar-se um tiro do coração a ser achincalhado pela corja vende-Pátria.

Na Carta-Testamento, ele cunha a frase famosa: “Saio da vida pra entrar na história”.
Getúlio Vargas precisa ser conhecido pelas novas gerações, que verão ali um patriota, de verdade, que batia continência pra uma bandeira só: a bandeira brasileira!

Saiba mais - A trajetória de Getúlio Vargas pode ser melhor conhecida em filmes como “Getúlio”, direção de Walter Carvalho, de 2014;  documentários , como “Imagens do Estado Novo”, de 2016 e direção de Eduardo Escorel e dezenas de livros, entre eles, “Getúlio Vargas - O Poder e o Sorriso”, de Boris Fausto; “Getulismo e Trabalhismo”, de Angela Castro e “ Getúlio Vargas e sua Época”, de Antonio A. da Costa.


Getúlio foi um grande aliado dos trabalhadores

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home
Receba nossa Newsletter: Nome Email